Convivência com as Cheias

Os comitês que compõem a Bacia Hidrográfica do Rio Doce priorizaram, no Plano Integrado de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Doce (PIRH Doce), o P31, que prevê a realização de atividades de monitoramento, através de dados hidrométricos das estações fluviométricas e pluviométricas, registros da defesa civil e acompanhamento da ocupação de áreas de risco por imagens de satélite.

O P31 tem foco no alerta contra inundações e redução de perdas humanas e econômicas devido às cheias. Ele prevê, a partir de ações estruturais e não estruturais, o acompanhamento e a previsão de eventos extremos, manutenção e ampliação do atual sistema de alerta para a população, estudos de viabilidade de intervenções estruturais e não estruturais que auxiliem na prevenção e redução dos efeitos das cheias, e ações de apoio à Defesa Civil na mitigação e enfrentamento das cheias. Para o P31, o Comitê da Bacia do Rio Doce investiu mais de R$ 500 mil, com recursos oriundos da cobrança pelo uso da água.

Neste primeiro momento, em atendimento ao trabalho de monitoramento, que prevê o uso de imagens de satélite para acompanhamento da ocupação de áreas de risco, os comitês que compõem a Bacia do Rio Doce, realizaram a aquisição de imagens digitais de satélite com alta resolução espacial e respectivos modelos digitais do terreno e curvas de nível de áreas urbanas de 26 municípios da Bacia do Rio Doce. Os municípios são: Porto Firme, Piranga, Guaraciaba, Ponte Nova, Rio Piracicaba, Nova Era, Antônio Dias, Ipatinga, Timóteo, Coronel Fabriciano, Distrito de Cachoeira Escura (Belo Oriente), Caratinga, Santa Barbada do Leste, Ubaporanga, Inhapim, Dom Cavati, Tumiritinga, Conselheiro Pena, Governador Valadares, Galileia, Resplendor, Aimorés, Baixo Guandu, Colatina e Linhares.

Entenda as etapas

Além dos produtos adquiridos serem importantes para os próximos passos do P31, eles podem oferecer outros usos para os municípios, como possibilitar o monitoramento das expansões urbanas, identificar ocupações em áreas susceptíveis a inundações, mapear ruas, dentre outras finalidades, permitindo auxiliar no planejamento urbano para a provisão de infraestrutura e regulação do uso do espaço. Para mais informações sobre o programa acesse nosso site:

O P31 apresenta ações em dois eixos: o primeiro eixo engloba ações destinadas ao aprimoramento do atual sistema de alerta, incluindo todas as iniciativas que possam auxiliar na previsão e antecipação dos eventos críticos, tais como implantação de novos pontos de monitoramento, radares e delimitação das cotas de enchentes. O segundo eixo é voltado para medidas que visam o aumento da infiltração em áreas urbanas; desassoreamento de cursos d’água; desocupação e proibição de ocupação de áreas inundáveis; recomposição da cobertura vegetal e controle da erosão; e, por fim, a educação ambiental. Também serão analisadas as opções e a viabilidade das intervenções estruturais do controle de cheias, tais como barragens e diques de proteção.